­­Horas em Durban

­­Dezembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

­­Etiquetas

­­ todas as tags

Conferência de Cancun - 2010
Conferência de Copenhaga - 2009
Conferência de Poznan - 2008
Conferência de Bali - 2007
Conferência de Nairobi - 2006
logo da Quercus
Sábado, 10 de Dezembro de 2011

Acompanhe a COP17 em directo

Acompanhe a fase final da COP17 através do webcast da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (UNFCCC).

 

01h15 (03h15): Presidente da COP retoma os trabalhos do plenário conjunto informal (CMP/COP)  

 

00h40 (02h40):  Presidência da COP interrompe a sessão e dá 10 minutos para um eventual concertar entre as duas posições que estão em cima da mesa e que têm a simples mas grande diferença de considerar ou não as palavras "resultado legal" (legal outcome) como uma possibilidade para o futuro acordo, para além de protocolo e instrumento legal.

 

00h28 (2h28): União Europeia aceita sugestão da Noruega que propôs à mesa uma reformulação do texto na questão legal, e sugestão da Índia na questão da equidade. Propõe mais negociações. EUA apela à adopção do “Pacote de Durban”, conjunto de documentos que considera "histórico".

 

00h27 (02h27): Gâmbia: está a falar em nome dos países menos desenvolvidos e alinha com a necessidade de um instrumento legal e que decisões não garantem a protecção dos países mais vulneráveis. Noruega: considera que a equidade é fundamental  e afirma que considera que a posição da União Europeia é consistente com essa equidade e apela à Presidência para tentar um compromisso que ultrapasse a discordância.

 

00h19 (02h19): Egipto: não se tem visto uma resposta e ambição no que respeita ao Protocolo de Quioto; não se pode decidir apenas com base na forma e ela está em aberto; alinha com texto da Presidência. Chile: alinha com a posição da União Europeia porque precisamos de um instrumento legal para ultrapassar as alterações climáticas. Panamá: alinha com o texto da Presidência da COP – um acordo legal que todos os países persigam. Mais quatro delegações vão poder falar e a União Europeia vai usar da palavra novamente.

 

00h14 (02h14): Paquistão: alinha com a manutenção do texto como está (posição oposta à da União Europeia e Estados pequenas ilhas). Guatemala:  não foi clara, mencionando apenas que quer um acordo ambicioso. El Salvador: está do lado de um instrumento legal. Brasil: acha que Durban não pode ser oportunidade perdida e alinha com o texto da Presidência.

 

00h02 (02h02): Bolívia: defende um regime legal e acusou os Estados Unidos da sua responsabilidade histórica (sem mencionar o seu nome). Filipinas: mencionou as t-shirts “I love Kyoto” da Rede Internacional de Acção Climática (a que a Quercus pertence) que foram usadas por muitos aqui na conferência: falou acima de tudo sobre a importância do 2º período de cumprimento de Quioto; apelou a que a sala não esteja dividida e alinha com Índia. (Presidente vai permitir mais intervenções, nomeadamente Paquistão, Guatemala, El Salvador, Chile, Panamá, Brasil, e fechou inscrições).

 

23h51 (01h51 em Durban): China: a responsabilidade está nos países que têm aderido a instrumentos legais e que não têm assegurado as acções correspondentes às suas responsabilidades; pelo discurso China parece alinhada com Índia.

 

23h45 (01h45): Bangladesh: apoia o pacote da Presidência como está. Segue-se a China e depois a Bósnia-Herzegovinia. A seguir terminará o plenário informal e começarão as sessões formais do Protocolo de Quioto e depois da Convenção.

 

23h38 (01h38): Granada: “resultado legal” tem de ser lido e claro no contexto e só um protocolo ou um instrumento legal é que são consistentes com os compromissos de Quioto e representa consequências e que é verificável. A própria existência futura da pequena ilha de Granada é que garante integridade.

 

23h28 (01h28 em Durban): Índia insiste em manter no texto “resultado legal”, clarificando que discorda de instrumento legal ou protocolo; mesmo que o país seja considerado responsável pelo falhanço das negociações justificando que o faz em nome da equidade. A Índia diz que não aceita mas também não faz chantagem.

 

23h17 (01h17): Connie Hedegaard, Comissária do Clima, pela União Europeia afirma que aceita apenas, como a Quercus previu anteriormente, um protocolo ou um instrumento legal e não um resultado global. Intervenção fortemente aplaudida! Colômbia não aceita resultado final e aplicação apenas em 2020.

 

23h05 (01h05):  Presidente da COP, Maite Nkoana-Mashabane: “mesmo a estas horas da madrugada podemos fazer história.” Em causa estão quatro decisões que farão parte do Pacote de Durban: 2º período de cumprimento do Protocolo de Quioto, o relatório do grupo de trabalho de cooperação de longo prazo (AWG-LCA), o Fundo Climático Verde e a Plataforma de Durban.

 

22h58 (00h58):  Maite Nkoana-Mashabane, presidente da COP17, anuncia que vai dar início ao plenário informal dentro de um minuto.


22h45 (00h45): Plenário informal ainda não começou. Webcast continua a indicar "brevemente"

 

 

22h40 (00h40): Alianças? Todd Stern (EUA) com Figueiredo (Brasil) e Índia 

 

22h40 (00h40): Cláudia Salerno da Venezuela e outros países da América Latina

 

22h10 (00h10, 11 de Dezembro, em Durban): Início previsto para um plenário informal conjunto das Partes do Protocolo de Quioto e da Convenção (COP/MOP)

 

21h40 (23h40 em Durban): Terminou a aprovação do relatório do grupo de trabalho ad-hoc sobre cooperação de longo prazo (AWG-LCA) com protestos da Venezuela por considerar o documento muito pouco ambicioso para seguir o seu caminho para a Convenção (o orgão formal onde será aprovado daqui a algumas horas). Outros países também manifestaram as fraquezas do documento mas consideraram que mesmo assim, e depois de catorze sessões de discussão, merecia ser considerado finalizado como está.

 

Etiquetas: ,
por Quercus às 21:38
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

Plataforma de Durban para uma Acção Reforçada

21h10 (23h10 em Durban): Aqui está a versão do documento mais aguardado para um futuro acordo global. Note-se que o debate em plenário daqui a pouco vai ser grande. Estamos a falar da criação de um novo grupo de trabalho que terá de terminar até 2015 o desenho de um protocolo, instrumento legal ou resultado legal que ao nível de todos os países assegure que o aumento de temperatura , não vá além de 2 ºC, ou, preferencialmente , 1,5 ºC. A informação do 5º relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) a ser publicado em 2015 (o relatório de cientistas que suportam as negociações e cujo último foi publicado em 2007) deverá suportar também as acções a desenvolver. Na opinião da Quercus, ao se considerar o ano de 2020 para a entrada em vigor deste instrumento, admitindo o seu sucesso, será já tarde demais de acordo com o que se conhece dos cenários que implicam um pico de emissões anterior precisamente a 2020. O documento é também fraco no seu conteúdo e exigência ea União Europeia foi desde sempre clara a dizer que não aceitava o termo "resultado legal" por ser insuficiente. Vamos ver se haverá ou não o consenso necessário (que terá de ser unânime para ser aprovado) por parte de todos os países nesta conferência nas próximas horas.

Establishment of an Ad Hoc Working Group on the Durban Platform for Enhanced Action

por Quercus às 21:27
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

Últimos desenvolvimentos na COP17 (até 21h de Lisboa)

Acompanhe a fase final da COP17 através do webcast da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (UNFCCC).

 

21h00: Continuam as críticas ao documento, mas com alguma resignação. A UE admite estar "desapontada" com o resultado, mas apoia-se na "flexibilidade" para o aceitar. No entanto, outros países não conseguem ultrapassar o "desequilíbrio" parente nas medidas propostas. Não está claro quais poderão recusar a adopção do documento, mas poderão incluir: Arábia Saudita, Venezuela, China, Bolívia, Nicarágua, Malásia, entre outros.

 

20h50 (22h50 em Durban): Numa verdadeira maratona de que não se sabe ainda o resultado e quando terminará, os ministros ainda presentes e/ou os negociadores de alto nível dos diversos países ou grupos de países chave negoceiam o texto do chamado "big picture" e que será levado ao plenário final da Conferência e que envolve o desenvolvimento de um acordo global cujas datas, o conteúdo, e a natureza das obrigações (preferencialmente vinculativas) estão em concertação, sem se saber ainda quando o documento estará finalizado e com que consenso. 

 

20h20: Continuam as intervenções no plenário do Grupo de Trabalho de Cooperação a Longo Prazo (AWG-LCA). Maioria dos países que já interveio (Bangladesh, República Democrática do Congo, Suiça, Filipinas, etc.) admite que o documento final de 56 páginas é fraco, "mas é o que temos", como expressado pela Tanzânia, pelo que irá votá-lo favoravelmente. Reunião está támbém a ser marcada pelos cumprimentos ao presidente do grupo de trabalho, o norte-americano Daniel Reifsnyder, que anunciou deixar as negociações após 22 anos de trabalho. Por outro lado, a Venezuela "não considera que este documento possa ser a base de um futuro minimamente vinculativo" e nota que os artigos sobre as responsabilidades dos países em desenvolvimento são 60, o dobro dos dedicados aos desenvolvidos. 

 

19h20 (21h20 em Durban): Termina de forma apressada e sem consenso a reunião do Grupo de Trabalho para o Protocolo de Quioto (AWG-KP). Vários países da América Latina consideraram que o texto não tinha ambição suficiente. Há discordância em relação ao segundo período de cumprimento terminar em 2017 ou 2020 (União Europeia defende 2020, para ser consistente com decisões próximas a tomar no quadro do acordo global). União Europeia também discorda das regras de contabilização das emissões das florestas. Presidente assume enviar documento tal como está para a próxima fase (CMP). Note-se que para além do Canadá que comunicou em Junho que não aceitaria metas de emissões para um segundo de cumprimento, também a Federação Russa e o Japão formalizaram essa intenção 5ª feira e hoje, rspectivamente. Isto é, o Protocolo de Quioto de momento está enfraquecido por ter basicamente apenas a Europa, Austrália e Nova Zelância, sendo que também estesdois últimos têm levantado algumas dúvidas em relação ao futuro.

 

Segue-se o plenário do Grupo de Trabalho de Cooperação a Longo Prazo (AWG-LCA), cujo presidente anuncia que não há tempo para ouvir as organizações com estatuto de observador.

 

18h20: Nova pausa de 10 minutos (a pedido da União Europeia)

 

18h10: Documentos (novos) em análise:

http://unfccc.int/resource/docs/2011/awg16/eng/l03.pdf

http://unfccc.int/resource/docs/2011/awg16/eng/l03a01.pdf

http://unfccc.int/resource/docs/2011/awg16/eng/l03a02.pdf

http://unfccc.int/resource/docs/2011/awg16/eng/l03a03.pdf

http://unfccc.int/resource/docs/2011/awg16/eng/l03a04.pdf

 

17h52 (de Lisboa): plenário do Grupo de Trabalho Ad Hoc para o Protocolo de Quioto (AWG-KP) - que discute o segundo período de compromisso - foi interrompido por 15 minutos.

por Quercus às 17:48
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

Presidente da COP propõe adopção do "Pacote de Durban"

Após horas de espera, a ministra sul-africana Maité Nkoana-Mashabane, presidente da COP17, promoveu um curto plenário informal para apelar à adopção do 'pacote de Durban'. Em causa estão os quatro documentos já conhecidos (ou novas versões, não ficou claro): o texto "Indaba", o documento sobre o futuro do Protocolo de Quioto (KP), o texto sobre Cooperação a Longo Prazo (LCA), e a proposta sobre o Fundo Verde Climático (GCF). Segue-se a discussão do "pacote" nos plenários respectivos, já sem vários delegados e ministros.

por Quercus às 17:24
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

Fim? TBA (uma nota mais pessoal...)

Os ministros e os negociadores de alto nível trabalham em salas fechadas para tentar chegar a um acordo; até os restantes delegados se passeiam pelo centro de conferências aguardando o desfecho. Não muito longe da área de computadores onde me encontro agora, dentro do centro de conferencias, ouve-se o som de alguém que toca um jazz relaxante no piano.

 

 

Os participantes mais jovens, cujas organizações não governamentais são autorizadas a participar na conferência como observadores (o caso dos escuteiros, por exemplo), comem o que compraram num supermercado mais próximo. Uma associção de cristãos protestantes reune-se sentada no chão para fazer o balanço da conferência. Muito delegados permanecem agarrados ao computador, enquanto outros dormem.

 

 

Lá fora ainda se vêem os camiões a serem carregados com os materais de exposicões que aqui serviam de introdução a quem chegava ao local da conferência.

 

 

No parque adjacente, centenas de bicicletas ja não estão a ser usadas. Experimentei percorrer parte de Durban e até ir a uma reuniao perto e fiquei convencido como sendo o transporte apropriado para uma pequena volta pela cidade. Mais curioso, é que o capacete era «Made in Portugal» .

 

 

Hoje, apesar de nublado, está calor e na rua de manhã muita gente se preparava para ir para a praia, porque a cidade é efectivamente como que uma estância balnear nesta altura daquilo que, apesar de ainda não ser oficial, já por aqui se classifica como Verão.

 

 

O almoço foi ao ar livre na companhia de uma delegada das Ilhas Cook (confesso que sabia que eram no Pacífico mas tive que ir ao google maps perceber exactemente onde estão). São 16h na África do Sul, 14h em Portugal. O recorde de extensão para além de sexta-feira de uma conferência desta natureza foram as 18h (em Bali, em 2007). Desta vez, só a sequência de plenários aparece nos monitores. Tudo o resto, incluindo os resultados, são TBA – to be announced…

 

Francisco Ferreira, Quercus em Durban

Etiquetas: ,
por Quercus às 14:03
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

[Actualizado] Plenários sem hora marcada

 

O dia extra da COP17 começa com o atraso na divulgação do texto sobre Cooperação a Longo Prazo (LCA) e com o adiamento do recomeço do plenário previsto para as 10h (8h de Lisboa). Durante a madrugada, a presidente da COP17, a sul-africana Maite Nkoana-Mashabane, manteve reuniões informais "Indaba" com cerca de 70 ministros e divulgou outros três textos: caminho para um acordo global até 2015, continuidade do Protocolo de Quioto e Fundo Verde Climático (ver posts anteriores).

 

12h15 (10h15 em Lisboa) - Presidente da COP17 anuncia realização de quatro plenários, em hora a indicar, por esta ordem: Protocolo de Quioto (KP), Cooperação a Longo Prazo (LCA), Conferência das Partes do Protocolo de Quioto (CMP) e Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP). 

por Quercus às 08:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
| | partilhar

Versão final do texto do Grupo de Trabalho de Cooperação a Longo Prazo

Versão final (pré-plenário de hoje) do texto do Grupo de Trabalho de Cooperação a Longo Prazo (LCA, em inglês) Ad Hoc Working Group on Long-term Cooperative Action under the Convention
Etiquetas: , ,
por Quercus às 08:42
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

­­Subscrever

[conta Twitter reutilizada para as COP seguintes]
COP17

­­Links

­­Pesquisar

 

­­Arquivos

­­ Dezembro 2011

­­ Novembro 2011

­­ Outubro 2011

­­ Setembro 2011

blogs SAPO