­­Horas em Durban

­­Dezembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

­­Etiquetas

­­ todas as tags

Conferência de Cancun - 2010
Conferência de Copenhaga - 2009
Conferência de Poznan - 2008
Conferência de Bali - 2007
Conferência de Nairobi - 2006
logo da Quercus
Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2011

"Parece sempre ser impossível até que esteja feito"

A juventude que percorria ontem o centro de conferências em Durban estava a olhar para o seu futuro… um futuro justo, feito de regras num sistema multilateral adequado para lidar com as alterações climáticas. O futuro pode começar hoje!

 

O momento finalmente parece estar a mudar a de uma coligação ambiental. As vozes dos países mais progressistas tem sido amplificada. As chamadas de atenção dos países mais vulneráveis como as pequenas ilhas e menos desenvolvidos de que 2020 é demasiado tarde estão finalmente a ser ouvidas. O roteiro de Bali tinha por intenção levar-nos a um acordo justo, ambicioso e juridicamente vinculativo, mas perdemo-nos ao longo do caminho. Um “novo roteiro” arrisca-se a repetir essa história. Com a ciência que temos hoje, tal seria desastroso. É preciso deixar Durban com um mandato para as negociações de um instrumento juridicamente vinculativo para ser concluído até 2015.

 

Propostas progressistas do Grupo África tiveram um impacto. Há um alinhamento cada vez maior da UE com os países vulneráveis e ​​foi evidente a chamada conjunta de ontem para a acção. Há sinais de que os países BASIC (Brasil, África do Sul, Índia e China) se estão envolvendo na discussão sobre o calendário e a forma de tal acordo. E os EUA é cada vez mais isolados com o seu próprio roteiro para lugar nenhum.

 

O caminho em que estamos está a enviar-nos para um aquecimento de 3,5 °C - o que significa 5 °C ou mais de aumento de temperatura para África. Não podemos condenar os nossos irmãos e irmãs africanos com mais secas, escassez de alimentos, problemas de saúde e crescente instabilidade.

 

Como eventos climáticos extremos nos últimos meses em todo o globo têm demonstrado, a África não estará sozinha no seu sofrimento. Os custos de agir agora serão muito menores do que os custos para a economia, para a integridade ambiental e para o sofrimento humano, se não houver acção. O objectivo é cada país assumir as suas responsabilidades e não permitir que os EUA ou outros bloqueiem o progresso.

 

Durban não pode ser mais uma conferência donde saiam apenas papéis e não acções para ficarmos o mais longe possível de um aumento de 2 °C. A aliança da ambição pode vencer e garantir que Durban produz não só um roteiro, mas também um segundo período de compromisso para o Protocolo de Quioto com a integridade ambiental.

 

É também essencial lançar um programa de mitigação para um ano de trabalho, incluindo um sessão intermédia com um segmento de alto nível dedicado, para fixar objectivos de mais de 40% abaixo de 1990 até 2020 e acções nacionais ambiciosas nos países em desenvolvimento.

 

Lembremos as palavras do grande Nelson Mandela: "Parece sempre ser impossível até que esteja feito." A boa notícia é que já não parece impossível, mas ainda há muito trabalho a ser feito aqui em Durban. E agora é preciso decidir!

 

por Quercus às 10:17
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

­­Subscrever

[conta Twitter reutilizada para as COP seguintes]
COP17

­­Links

­­Pesquisar

 

­­Arquivos

­­ Dezembro 2011

­­ Novembro 2011

­­ Outubro 2011

­­ Setembro 2011

blogs SAPO